Hoje, dia 31 de Agosto, celebra-se o Dia Internacional do Blog, ou seja, é o nosso dia! Nosso, vosso e de todos os bloggers do mundo inteiro. Como tal, decidimos partilhar algo sobre nós relacionado com os blogs – “o que mudou na nossa vida depois de criarmos um blog” e “que conselhos podemos dar a quem está a pensar criar um blog”, por exemplo – e partilhamos os dez blogs favoritos (nacionais e internacionais) de cada uma. 🙂

Ter um blog mudou alguma coisa na tua vida?

 BC1

Catarina Alves de Sousa: Oh, se mudou! Podia escrever um texto inteiro só a explicar como e porquê, mas a versão resumida é que me trouxe amizades verdadeiras (sim, para a vida real!), que me deu a motivação de que precisava para explorar grandes paixões minhas (a escrita e a fotografia) e, consequentemente, a criar projectos dedicados às mesmas.

Para além disso, ter um blog faz-me estar mais atenta ao que me rodeia e obriga-me ainda mais a estar atenta e a documentar os momentos bonitos da minha vida.

 BC2

Ana Garcês: Ter um blog foi uma das melhores decisões que tomei na minha vida sem saber. Trouxe-me amizades para a vidinha, obrigou-me a sair da minha zona de conforto e a pensar fora de caixa (e isso é tão bom!), a querer fazer mais e melhor, a criar projectos. Trouxe-me o meu pequeno negócio e trouxe-me um coração com o triplo do tamanho e a rebentar de amor por tudo isto.

 BC3

Catarina Costa: Mudou! Mudou mesmo muito! Mudou a forma como escrevo, mudou a forma como me organizo e a forma como olho para os pormenores deliciosos da minha vida e que antes me passavam ao lado! Trouxe-me muitos projectos giros – hello Bloggers Camp! -, trouxe-me pessoas que adoro e sem as quais já não imagino a minha vida e muitas muitas oportunidades de fazer coisas giras que não teria tido de outra forma.

Que conselho darias a quem quer criar um blog?

Catarina Alves de Sousa: Ah, a eterna questão dos iniciantes. Por acaso têm-me perguntado bastante e, para todos, a minha resposta é igual: se querem criar um blog, não o façam a pensar “oh, e se isto falhar?”. O que é que há para falhar? Se vão criar o blog a pensar em parcerias, pageviews e números de leitores, então esqueçam, vai falhar. Sabem porquê? Porque essas coisas não caem do céu, só se alcançam com muito trabalho e persistência. Se forem pessoas muito impacientes, vão desmotivar logo, porque aquilo que desejam demora a chegar.

Portanto, o meu conselho é: criem um blog porque escrever e partilhar algo vos apaixona e vos traz um sorriso à cara. Criem um blog porque querem alimentá-lo, nutri-lo e fazer dele algo à vossa imagem, algo de que se orgulham. Criem-no apenas por prazer. O resto, se quiserem muito, também virá, mas foquem-se na qualidade do vosso blog primeiro e escrevam com prazer. Os leitores sabem a diferença. 🙂

Ana Garcês: O melhor que vos posso dizer é a mesma coisa que me disse há quase cinco anos: sejam vocês mesmos. É capaz de ser um bocadinho cliché, eu sei, mas é verdade. E o que é ainda mais verdade é que se forem fiéis a vocês próprios vão descobrir muitas mais facetas vossas e isso é maravilhoso. Não tenham medo de falhar porque só experimentando diversas coisas é que vamos entender aquilo que queremos. Trabalhem, trabalhem muito. Saibam que no fim vão ser grandemente recompensados.

Catarina Costa: Acima de tudo que o façam por paixão! O resto vem com o tempo, mas se gostarem do que escrevem vai ser muito mais fácil perderem horas a escrever bons posts e a trabalhar para eles. E mantenham a vossa identidade e encontrem a vossa ‘voz’. A forma como comunicam torna-vos únicos e mais apelativos – e mais pessoas reais! – aos olhos de quem vos lê. De resto, não dêem erros ortográficos gritantes, escrevam regularmente (hey, olhem para o que eu digo, não para o que eu faço!) e inspirem-se, mas nunca, mesmo nunca, não copiem alguém!

 

Partilha o maior segredo de sucesso do teu blog até agora.

Catarina Alves de Sousa: Nem é segredo nenhum! Ah, e prende-se com o que disse acima: eu só escrevo porque gosto do que estou a escrever e porque gosto dos temas sobre os quais escrevo. Caso contrário, não acho que vale a pena ter este trabalho todo.

Ok, eu sou vossa amiga e vou dizer outros pequenos “segredos”: manter-me fiel ao meu conceito para o blog, publicar de forma consistente (não ficando muito tempo ausente do blog) e trabalhar arduamente naquilo que escrevo e fotografo de forma a atingir um resultado que me satisfaz. A minha máxima para o blog é: eu tenho que gostar e estar confiante com aquilo que publico, caso contrário os meus leitores provavelmente também não vão gostar (Se eu não gostar de mim, quem gostará?)

Ana Garcês: O mais importante – sem dúvida – e aquela que eu sigo sempre: escrevam porque gostam e sobre o que gostam. Não escrevam sobre x ou y só porque w ou z escrevem ou porque é aquilo que toda a gente está a escrever. Porquê ser um carapau no meio de muitos carapaus quando podemos ser um peixe arco-íris no meio de besugos?

Catarina Costa: Manter-me fiel ao conceito que defini na minha cabeça para o meu blog. O conceito pode mudar (e já mudou mesmo!), mas se a maior parte do tipo de partilhas for consistente ao longo do tempo, as pessoas vão reparar em vocês muito mais facilmente! Ahh, e escolher bem a plataforma onde está alojado o meu blog! Estive 3 anos no Sapo e cresci mais num ano no Blogger que durante todo esse tempo no Sapo. E, para finalizar, escolher bem os projectos em que me envolvo (e as pessoas que estão associadas aos mesmos) e as marcas com quem trabalho. Não há nada pior que sermos totalmente all over the place.

5 blogs nacionais

 

5 blogs internacionais


Bloggers Camp

O Bloggers Camp é uma plataforma com dicas de e para bloggers criada por Ana Garcês (Infinito mais um), Catarina Costa (Daydreams) e Catarina Alves de Sousa (Joan of July).

3 comentários

Nuno Reis · 31/08/2016 às 19:00

Ainda bem que listaram estes blogs porque:
1) descobri que ainda não tinha um gosto no BC.
2) estava a esquecer-me de seguir o Aonde Não Estou.

Nas dicas acho que dizem as três essencialmente o mesmo, mas isso é bom sinal. Feliz dia do blog!

Ana · 31/08/2016 às 19:32

E eu que não fazia ideia da existência deste dia 🙂 Mas gostei tanto de ler isto! Identifico-me imenso com o que a Catarina Sousa escreveu na primeira questão, porque uma das principais razões pelas quais criei o blog foi para me “obrigar” a dar atenção a todas as minhas paixões – e tem resultado! Até agora não tem sido menos do que uma fantástica experiência! O blog obriga-me a estar em constante aprendizagem e – tal como a Ana disse – sair da zona de conforto. Fez-me redescobrir várias das minhas paixões e antigos sonhos, através dele já conheci pessoas maravilhosas e inspiradoras – e o que mais podia pedir? Tem sido um processo desafiante que me tem feito tão bem!
Mas é um facto que dá um trabalho do caneco :p Estou sempre a pensar em projectos que gostava de desenvolver e em como adorava dar mais de mim a este lado, mas a gestão do tempo é algo que também se aprende e eu ainda tenho um looongo caminho a percorrer! Aos poucos lá chegarei! 🙂
Tenho de dizer que fiquei lisonjeadíssima com a menção. Não imaginam o tamanho do sorriso que esbocei! Obrigada!

Joana Sousa · 01/09/2016 às 08:20

Fiquei meia sem jeito quando me vi no meio de tantos blogs bons – obrigada <3 e agora, vou passar umas horas a explorar tanto blog, porque há uns quantos que não conheço e claramente devia!
Acho que vocês as três focaram o ponto mais importante no meio disto tudo: mantermos a nossa identidade! Porque não tem interesse nenhum nem sequer é motivante escrever por obrigação, num registo que não é o nosso 🙂 e isto é fantástico para sairmos da nossa zona de conforto e nos descobrirmos um pouco mais, sem dúvida nenhuma!

Jiji

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *